COMO FAZER AMIGOS E INFLUENCIAR PESSOAS, LIVROS

Como obter cooperação – Parte3 / Princípio7

Bem-vindo ao resumo do livro “Como fazer amigos e influenciar pessoas”.

Tentei extrair o melhor de cada capítulo e inserir comentários que possam contribuir para o fácil entendimento do conteúdo.

PARTE 3 – Como conquistar as pessoas a pensarem do seu modo.

“Deixe que a outra pessoa sinta que a ideia é dela”.

Você não confia muito mais nas ideias que descobriu por si mesmo do que naquelas que lhe são trazidas em uma “bandeja de prata”? Se é assim, não acha uma má resolução tentar fazer as outras pessoas seguirem as suas opiniões à força? Não seria muito mais sábio da sua parte fazer sugestões e deixar a outra pessoa tirar a conclusão por si mesma?

Ninguém gosta de sentir que lhe estão vendendo algo ou dizendo-lhe para fazer determinada coisa. Preferimos sentir que nós estamos comprando por nossa própria vontade ou agindo de acordo com nossas próprias ideias. Gostamos de ser consultados sobre nossos desejos, nossas vontades, nossas opiniões.

Em uma conversa com um cliente, funcionário, ou amigo, porque não pedir opinião por algo e ainda dar o mérito a esta que te escutou e te apoiou!? Sejamos mais humildes, não tem problema reconhecer e dar o mérito à outra pessoa, de vez em quando.

Deixar que a outra pessoa pense que determinada ideia é dela leva a consequências positivas não só nos negócios ou na política, mas também na vida familiar.

Vinte e cinco séculos atrás, Lao Tsé, um sábio chinês, disse:

“A razão por que os rios e mares recebem a homenagem de centenas de córregos das montanhas é que eles se acham abaixo deles. Desse modo, podem reinar sobre todos os córregos das montanhas. Então, o sábio, desejando estar acima dos homens, coloca-se abaixo deles; desejando estar adiante deles, coloca-se atrás deles. Assim, embora o seu posto seja acima dos homens, eles não sentem o seu peso; apesar de o seu lugar ser adiante deles, não consideram isto uma ofensa”.

Fonte: Alguns conceitos extraídos do livro “Como fazer amigos e influenciar pessoas”.

COMO FAZER AMIGOS E INFLUENCIAR PESSOAS, LIVROS

A válvula de segurança na solução das queixas – Parte3 / Princípio6

Bem-vindo ao resumo do livro “Como fazer amigos e influenciar pessoas”.

Tentei extrair o melhor de cada capítulo e inserir comentários que possam contribuir para o fácil entendimento do conteúdo.

PARTE 3 – Como conquistar as pessoas a pensarem do seu modo.

“Deixe a outra pessoa falar durante boa parte da conversa”.

Quando a maioria das pessoas procura conquistar outras para o seu modo de pensar, faz isso conversando demasiadamente. Vendedores, especialmente, são vítimas desse grave erro. Deixe a outra pessoa falar dela mesma.

Se discorda dessa pessoa, você pode ser tentado a interrompê-la. Mas não o faça. Ouça-a pacientemente e com boa vontade. Seja sincero nisso. Encoraje-a a expressar suas ideias.

Deixar a outra pessoa falar ajuda em situações familiares, profissionais e até com os amigos. A verdade é que mesmo os nossos amigos preferirão falar sobre si próprios a ouvir falar sobre nós (claro que, pode haver exceções).

La Rochefoucauld, o filósofo francês, disse: “Se quiser ter inimigos, sobreponha-se aos seus amigos; se quiser ter amigos, deixe que seus amigos se sobreponham a você”.

Por que isso é verdade? Porque quando nossos amigos se sobressaem sobre nós, isso lhes dá uma sensação de importância, segundo o autor; mas quando nós nos sobressaímos causamo-lhes uma sensação de inferioridade, que pode gerar inveja.

Sem dúvida, a consultora de colocação de emprego mais querida na Midtown Personnel Agency, na cidade de Nova York, era Henrietta G. Mas nem sempre isso foi assim. Durante os primeiros meses de trabalho na agência, Henrietta não chegou a fazer nenhuma amizade entre seus colegas. Por que não? Porque diariamente, invariavelmente, orgulhava-se das colocações que havia feito, das novas contas que havia aberto, ou qualquer outra coisa que tivesse realizado. “Sempre trabalhei bem e me orgulhava disso”, afirmou Henrietta numa de nossas classes. “Mas, em vez de meus colegas participarem do meu triunfo, pareciam se sentir depreciados. Meu desejo era que todos eles gostassem de mim. Eu realmente queria que se tornassem meus amigos. Após ouvir algumas das sugestões formuladas por este curso, procurei falar menos a meu respeito e a ouvir mais meus companheiros. Também eles se orgulhavam de suas proezas e se sentiam mais dispostos a falar sobre suas realizações do que a ouvir sobre as minhas. Hoje, quando temos um tempo para conversar, peço-lhes que partilhem comigo suas alegrias. Quanto a mim, falo das minhas conquistas apenas quando me pedem.”

Ensinamento de hoje: “Deixe a outra pessoa falar durante boa parte da conversa”.

Fonte: Alguns conceitos extraídos do livro “Como fazer amigos e influenciar pessoas”.

COMO FAZER AMIGOS E INFLUENCIAR PESSOAS, LIVROS

Consiga que a outra pessoa diga “sim, sim”, imediatamente – Parte3 / Princípio5

Bem-vindo ao resumo do livro “Como fazer amigos e influenciar pessoas”.

Tentei extrair o melhor de cada capítulo e inserir comentários que possam contribuir para o fácil entendimento do conteúdo.

PARTE 3 – Como conquistar as pessoas a pensarem do seu modo.

“O segredo de Sócrates”.

Falando com outras pessoas, não comece por discutir as coisas em que divergem. Comece enfatizando – e continue enfatizando – as coisas em que estão de acordo. Faça questão de frisar, se possível, que ambos estão marchando para o mesmo fim e a única diferença que os separa é de método e não de propósito.

Mantenha a outra pessoa dizendo “sim, sim”, desde o começo. Se possível, evite que ela diga “não”.

Uma resposta “não”, diz o prof. Overstreet, é a desvantagem mais difícil a ser vencida. Quando uma pessoa diz “não” todo o seu orgulho, todo sua personalidade, exigem que continue coerente com ela mesma.

As normas psicológicas são aqui as mais claras. Quando uma pessoa diz “não”, e realmente sente isto, está fazendo muito mais do que dizer uma palavra de três letras. Todo o seu organismo – glândulas, nervos e músculos – se reúne nesta recusa. Há, usualmente, num grau diminuto, mas que algumas vezes se pode observar, uma retirada física, ou uma prontidão para a retirada.

Ao contrário, porém, quando uma pessoa diz “sim” nenhuma atividade de retirada tem lugar. O organismo está num movimento para frente, aceitando, numa atitude aberta.

É uma técnica muito simples – a das respostas afirmativas, a técnica do “sim”. E, apesar de tudo, como ela é esquecida! Muitas vezes, tem-se a impressão de que as pessoas se sentem importantes contradizendo logo de início.

É muito mais interessante e muito mais proveitoso ver as coisas do ponto de vista da outra pessoa e procurar conseguir que ela diga sempre “sim, e sim”.

Sócrates foi um dos filósofos mais brilhantes que o mundo já conheceu. Realizou algo que apenas um punhado de homens na História conseguiu fazer: sutilmente mudou todo o curso do pensamento humano, e, agora, 23 séculos depois de sua morte, é considerado um dos mais sábios persuasores que já influenciaram este mundo tão cheio de disputas.

Seu método? Sócrates dizia a alguém que ele estava errado? Oh, Sócrates, não. Era hábil demais para cometer tal erro. Toda a sua técnica, hoje conhecida por “método socrático”, era baseada na obtenção do máximo de respostas “sim”. Formulava questões ao seu oponente com as quais ele não podia deixar de concordar. Prosseguia fazendo suas perguntas até que, finalmente, quase sem compreender, seu oponente se encontrava diante de uma conclusão envolvente que, por certo, poucos momentos antes, teria rejeitado veementemente.

Na próxima vez que estivermos tentados a dizer a um homem que ele está errado, lembremo-nos de Sócrates e seus “sims”.

“Devagar se vai ao longe”. Provérbio Chines.

Nosso ensinamento de hoje é: Consiga que a outra pessoa diga “sim, sim”, imediatamente.

Fonte: Alguns conceitos extraídos do livro “Como fazer amigos e influenciar pessoas”.

 

 

COMO FAZER AMIGOS E INFLUENCIAR PESSOAS, LIVROS

Comece de uma maneira amistosa – Parte3 / Princípio4

Bem-vindo ao resumo do livro “Como fazer amigos e influenciar pessoas”.

Tentei extrair o melhor de cada capítulo e inserir comentários que possam contribuir com o fácil entendimento do conteúdo.

PARTE 3 – Como conquistar as pessoas a pensarem do seu modo.

“Um pingo de mel”.

“Se você vier para mim com os punhos cerrados” disse Woodrow Wilson, “acho que posso prometer-lhe que os meus serão cerrados tão depressa quanto os seus; mas, se você vier ao meu encontro e disser: ‘Vamos sentar e nos aconselhar mutuamente e, se houver diferenças entre nós, procuraremos as causas’, por certo veremos que não estamos tão afastados um do outro, que os pontos em que diferimos são poucos, e muitos os em que estamos de acordo, e que, se tivermos paciência e prudência, além do desejo de sermos unidos, seremos unidos”.

É um exemplo simples, porém excelente, pois nós temos o poder de transformar um possível inimigo em amigo.

Se o coração de um homem está inflamado pela discórdia e pelos maus sentimentos para com você, nem com toda a lógica do Cristianismo você conseguirá conquistá-lo para o seu modo de pensar. Pais repreendedores, patrões e maridos exigentes, esposas ranzinzas, deviam compreender que as pessoas não gostam de mudar suas ideias. Elas não podem ser forçadas a concordar com você. Mas podem ser levadas a isso se formos gentis e amistosos, cada vez mais gentis, cada vez mais amistosos.

Lincoln disse isso efetivamente, há quase cem anos. Eis aqui as suas palavras:

É uma antiga e verdadeira máxima “que com um pingo de mel se apanha mais moscas do que com um galão de fel.” O mesmo se dá com os homens. Se quer tornar um homem adepto de uma causa sua, convença-o primeiro de que você é seu amigo sincero. Nisso há uma gota de mel que apanha o seu coração, o qual, digam o que quiserem, é o caminho mais curto para a sua razão.

O emprego da cortesia e da amistosidade pode ser observado no dia a dia de pessoas que aprenderam que com uma gota de mel se apanha mais moscas que com um galão de fel.

O ensinamento de hoje é: Comece de uma maneira amistosa.

Fonte: Alguns conceitos extraídos do livro “Como fazer amigos e influenciar pessoas”.

COMO FAZER AMIGOS E INFLUENCIAR PESSOAS, LIVROS

Se errar, reconheça o erro – Parte3 / Princípio3

Bem-vindo ao resumo do livro “Como fazer amigos e influenciar pessoas”.

Tentei extrair o melhor de cada capítulo e inserir comentários que possam contribuir para o fácil entendimento do conteúdo.

PARTE 3 – Como conquistar as pessoas a pensarem do seu modo.

“Se está enganado, reconheça o seu erro rápida e enfaticamente.

Se você está errado, assuma que está errado, não adianta querer se defender de algo óbvio, ou seja, se sabemos que vamos receber de alguém alguma reprimenda, não é muito melhor nos adiantarmos e dizermos nós mesmos o que ela vai dizer? É mais fácil ouvir a autocrítica do que a condenação vindo da outra pessoa.

Existe certo grau de satisfação em se ter a coragem de admitir o próprio erro. Não apenas alivia a sensação de culpa e a atitude de defesa, como também com frequência ajuda a resolver o problema criado pelo erro.

Qualquer um pode procurar justificar seus erros, e muitos fazem isso, mas reconhecer suas próprias falhas, o que é muito raro, dá um ar de nobreza na pessoa.

“Se você errou, admita-o, rápida e enfaticamente”. Dale Carnegie

Quando estivermos com a razão, é possível convencermos os outros aos poucos e com toda a habilidade, conquistando-os a pensar como nós; quando estivermos errados – e isso acontecerá muitas vezes, se nos julgarmos com honestidade – reconheceremos nossos erros sem demora.

O autor diz que essa técnica não produzirá apenas resultados surpreendentes mas, acredite ou não, é muito mais interessante, em certas circunstâncias, do que uma pessoa tentar justificar seus erros.

Lembre-se do provérbio: “Pela luta, você jamais conseguirá muito, mas, pela condescendência, conseguirá sempre mais do que espera”.

Fonte: Alguns conceitos extraídos do livro “Como fazer amigos e influenciar pessoas”.

COMO FAZER AMIGOS E INFLUENCIAR PESSOAS, LIVROS

A maneira certa de fazer inimigos e como evita-lá – Parte3 / Princípio2

Bem-vindo ao resumo do livro “Como fazer amigos e influenciar pessoas”.

Tentei extrair o melhor de cada capítulo e inserir comentários que possam contribuir para o fácil entendimento do conteúdo.

PARTE 3 – Como conquistar as pessoas a pensarem do seu modo.

“Respeite a opinião dos outros. Nunca diga: “Você está enganado”.

Você pode dizer a uma pessoa que ela está errada por meio do olhar, do gesto, da entonação da voz, como também por meio de palavras, mas, se lhe disser que ela está errado, pensa que isso o levará a concordar com você? O autor do livro acha que não. Pois você desferiu um golpe direto contra sua inteligência, contra seu julgamento, contra seu orgulho, contra seu amor-próprio. Isso fará apenas com que essa pessoa queira revidar, mas nunca que mude de ideia. 

Se deseja provar algo, não deixe que ninguém note isto. Faça com sutileza e habilidade.

Se alguém faz uma afirmativa que você julga errada não é melhor começar dizendo: “Bem, veja só! Penso de outra maneira, mas posso estar errado. Vamos examinar os fatos.” Dessa forma ninguém irá se opor a você, isso se você usar frases mais flexíveis, como esta. Você nunca terá aborrecimentos admitindo que pode estar errado, e fará com que o outro também queira admitir que pode estar errado. 

Poucas pessoas são lógicas. Na maioria das vezes, somos prevenidos e intransigentes, somos inutilizados por noções preconcebidas, pelo ciúme, pela suspeita, pelo receio, pela inveja e pelo orgulho. E a maioria das pessoas não quer mudar suas ideias sobre religião, sobre seu corte de cabelo, sobre o comunismo ou sobre seu artista de cinema favorito.

“…a maioria dos nossos chamados raciocínios consiste no encontro de argumentos para continuar acreditando no que já acreditamos”. Prof. James H. Robinson, trecho do livro The Mind in the Making.

Quando erramos, podemos confessá-lo de nós para nós mesmos. E, se formos conduzidos gentil e habilidosamente, podemos confessar nosso erro para os outros e até sentir orgulho da nossa franqueza e sensatez. O mesmo, porém, não acontece se alguém procura impor um fato que não é do nosso agrado.

Se desejar algumas excelentes sugestões sobre o modo de tratar as pessoas, leia a autobiografia de Benjamin Franklin, eu mesma já estou lendo. Ele conta como deixou o hábito de discutir e transformou-se num dos homens mais acessíveis, finos e diplomatas da história americana.

“Concorda prontamente com o teu adversário”. Jesus Cristo

“Seja diplomata. Isso o ajudará a conseguir o que deseja”. Rei Aktoi 

Em outras palavras, não discuta com o seu cliente, com a sua esposa e marido, nem com o seu adversário. Use um pouco de diplomacia.

Ensinamento de hoje: “Se deseja provar algo, não deixe que ninguém note isto. Faça com sutileza e habilidade”.

Fonte: Alguns conceitos extraídos do livro “Como fazer amigos e influenciar pessoas”.

 

COMO FAZER AMIGOS E INFLUENCIAR PESSOAS, LIVROS

Você não pode vencer uma discussão – Parte3 / Princípio1

Bem-vindo ao resumo do livro “Como fazer amigos e influenciar pessoas”.

Tentei extrair o melhor de cada capítulo e inserir comentários que possam contribuir para o fácil entendimento do conteúdo.

PARTE 3 – Como conquistar as pessoas a pensarem do seu modo.

A única maneira de ganhar uma discussão é evitando-a”.

No livro o autor cita uma situação bem interessante, que me fez pensar bastante… ele diz que em certa ocasião, estava em uma festa, e acabou discordando de um senhor que dizia que a frase: “Há uma divindade que protege nossos objetivos, traçando-os como os desejamos” constava na Bíblia, mas ele tinha certeza que esta era de Shakespeare.

Saindo da festa comentou com um amigo que também estava na mesa onde a discussão surgiu, e enfatizou, que mesmo o tal senhor discordando, ele tinha certeza que a frase era de Shakespeare.

Foi quando seu amigo lhe disse: “Sim, eu também tenho certeza que é de Shakespeare, mas nós éramos convidados naquela festa. Por que provar a um homem que ele estava errado? Isso iria fazer com que ele gostasse de você? Por que não evitar que ele ficasse envergonhado? Não pediu sua opinião. Não a queria. Por que discutir com ele?”

E eu acabo de aprender esta lição, e espero conseguir ser mais sensata, empática, e relaxada em situações desse tipo.

Engraçada é a vida, quanto mais conhecimento você tem mais você tende a ser um discutidor, e isto faz com que você se sinta bem; discutir é bom, é altamente recomendado quando você tem liberdade pra isto, mas às vezes, não é necessário provar que estamos certos e sermos muito duros e argumentativos com as pessoas.

Analise a situação, verifique se a deixa foi dada, e mesmo que seja, tente não fazer o outro passar vergonha, se coloque no lugar dele antes de emitir suas palavras.

O autor chega a conclusão, que o único meio para conseguir o melhor numa discussão, é correr dela, pois nove vezes em dez, uma discussão termina com cada um dos contestantes convencido, mas firmemente do que nunca, de que está certo.

Ele diz que não podemos vencer uma discussão, porque se perder, perdeu mesmo, e, se ganhar, também perdeu. Isto porque, suponha que você triunfou sobre outra pessoa, e arrasou com seus argumentos. Você o fez sentir-se inferior. Você lhe feriu o amor próprio, e de qualquer forma, se alguém foi convencido contra a vontade, conservará sempre a opinião anterior.

“Quando você discute, inflama-se e se contradiz, você pode, algumas vezes, conseguir uma vitória; mas será uma vitória sem proveito, porque nunca contará com a boa vontade do seu oponente”. Benjamin Franklin

Ensinamento de hoje: “A única maneira de ganhar uma discussão é evitando-a”.

Fonte: Alguns conceitos extraídos do livro “Como fazer amigos e influenciar pessoas”.