COMO FAZER AMIGOS E INFLUENCIAR PESSOAS, LIVROS

Se você não fizer isso, será dominado por complicações – Parte2 / Princípio3

Bem-vindo ao resumo do livro “Como fazer amigos e influenciar pessoas”.

Tentei extrair o melhor de cada capítulo e inserir comentários que possam contribuir para o fácil entendimento do conteúdo.

PARTE 2 – Seis maneiras de fazer as pessoas gostarem de você.

Lembre-se que o nome de uma pessoa é para ela o som mais doce e mais importante que existe em qualquer idioma”.

Trate todos pelo nome, a regra é simples, mas o trabalho é penoso. Você até consegue tratar pelo nome aqueles com o qual tem bastante contato, não é fácil esquecer o nome dessas pessoas, mas e aquelas que você vê poucas vezes, ou que viu apenas uma vez e que acha que não verá novamente, e talvez por isso não dê tanta importância em guardar seu nome. Pois bem, os que conseguem se lembrar do nome das pessoas que viram apenas uma vez são os mais bem sucedidos no quesito “fazerem as pessoas gostarem de você”. E isso não é bobeira não, Lembre-se que o nome de uma pessoa é para ela o som mais doce e mais importante que existe em qualquer idioma.

Um rapaz chamado Jim Farley, um vendedor, criou um sistema para relembrar o nome das pessoas. Ele disse que no começo era muito simples. Todas as vezes que travava uma nova amizade, procurava saber o nome completo da pessoa, quantos membros tinha na família, a natureza de seus negócios e suas ideias políticas. Gravava bem na mente todos esses fatos, como parte do retrato do novo conhecido, e, na vez seguinte em que encontrava a pessoa, mesmo que fosse um ano mais tarde, tinha facilidade em dar-lhe uma pancadinha nas costas, perguntar depois pela esposa e os filhos e sobre as plantas no jardim.

Jim Farley cedo verificou que a pessoa comum é mais interessada no seu próprio nome do que em todos os outros nomes da terra juntos.

Lembre-se do nome, chame-o facilmente e terá prestado a qualquer pessoa um sutil e muito eficiente cumprimento. Mas esquecê-lo ou chamá-lo por nome diferente é colocar-se numa grande desvantagem.

Às vezes, não é fácil lembrarmos um nome, principalmente se ele é de pronúncia difícil. Em vez de tentar decorá-lo, muita gente o ignora ou chama a pessoa por um apelido que seja mais fácil. A maioria das pessoas se esquece dos nomes pela simples razão de não dedicar a esse exercício o tempo e a energia necessários para concentrar, repetir e gravar os nomes na memória.

Metade das vezes que somos apresentados a um estranho, falamos-lhe alguns minutos, e não podemos sequer lembrar seu nome quando nos despedimos.

Uma das primeiras lições que um político aprende é a seguinte: “Lembrar-se do nome de um eleitor é conquistá-lo. Esquecer é perdê-lo”. E a habilidade de lembrar nomes é quase tão importante nos negócios e nos contatos sociais como na política.

Napoleão III, imperador da França e sobrinho do grande Napoleão tinha uma técnica simples: Se não ouvia o nome de alguém perfeitamente, dizia: “Perdão. Não ouvi bem seu nome”. Se era um nome não muito comum costumava dizer: “Como se escreve?” Durante a conversa, preocupava-se em repetir o nome várias vezes, e procurava associá-lo na mente com alguns sinais característicos da pessoa, expressão e aparência geral.

Fica aí a dica! 😉

Fonte: Alguns conceitos extraídos do livro “Como fazer amigos e influenciar pessoas”.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s