COMO FAZER AMIGOS E INFLUENCIAR PESSOAS, LIVROS

A maneira certa de fazer inimigos e como evita-lá – Parte3 / Princípio2

Bem-vindo ao resumo do livro “Como fazer amigos e influenciar pessoas”.

Tentei extrair o melhor de cada capítulo e inserir comentários que possam contribuir para o fácil entendimento do conteúdo.

PARTE 3 – Como conquistar as pessoas a pensarem do seu modo.

“Respeite a opinião dos outros. Nunca diga: “Você está enganado”.

Você pode dizer a uma pessoa que ela está errada por meio do olhar, do gesto, da entonação da voz, como também por meio de palavras, mas, se lhe disser que ela está errado, pensa que isso o levará a concordar com você? O autor do livro acha que não. Pois você desferiu um golpe direto contra sua inteligência, contra seu julgamento, contra seu orgulho, contra seu amor-próprio. Isso fará apenas com que essa pessoa queira revidar, mas nunca que mude de ideia. 

Se deseja provar algo, não deixe que ninguém note isto. Faça com sutileza e habilidade.

Se alguém faz uma afirmativa que você julga errada não é melhor começar dizendo: “Bem, veja só! Penso de outra maneira, mas posso estar errado. Vamos examinar os fatos.” Dessa forma ninguém irá se opor a você, isso se você usar frases mais flexíveis, como esta. Você nunca terá aborrecimentos admitindo que pode estar errado, e fará com que o outro também queira admitir que pode estar errado. 

Poucas pessoas são lógicas. Na maioria das vezes, somos prevenidos e intransigentes, somos inutilizados por noções preconcebidas, pelo ciúme, pela suspeita, pelo receio, pela inveja e pelo orgulho. E a maioria das pessoas não quer mudar suas ideias sobre religião, sobre seu corte de cabelo, sobre o comunismo ou sobre seu artista de cinema favorito.

“…a maioria dos nossos chamados raciocínios consiste no encontro de argumentos para continuar acreditando no que já acreditamos”. Prof. James H. Robinson, trecho do livro The Mind in the Making.

Quando erramos, podemos confessá-lo de nós para nós mesmos. E, se formos conduzidos gentil e habilidosamente, podemos confessar nosso erro para os outros e até sentir orgulho da nossa franqueza e sensatez. O mesmo, porém, não acontece se alguém procura impor um fato que não é do nosso agrado.

Se desejar algumas excelentes sugestões sobre o modo de tratar as pessoas, leia a autobiografia de Benjamin Franklin, eu mesma já estou lendo. Ele conta como deixou o hábito de discutir e transformou-se num dos homens mais acessíveis, finos e diplomatas da história americana.

“Concorda prontamente com o teu adversário”. Jesus Cristo

“Seja diplomata. Isso o ajudará a conseguir o que deseja”. Rei Aktoi 

Em outras palavras, não discuta com o seu cliente, com a sua esposa e marido, nem com o seu adversário. Use um pouco de diplomacia.

Ensinamento de hoje: “Se deseja provar algo, não deixe que ninguém note isto. Faça com sutileza e habilidade”.

Fonte: Alguns conceitos extraídos do livro “Como fazer amigos e influenciar pessoas”.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s