LIDERANÇA, VLOG DA MARINA

Liderança.

Olá, Pessoal!

Nesse vídeo é abordado sobre a Liderança como uma habilidade necessária.

Liderança é uma forma especial de poder, intimamente relacionada à forma referencial, pois envolve a habilidade, baseada nas qualidades do líder, para incentivar a concordância voluntária dos seguidores em uma ampla variedade de assuntos.

Acesse o canal: Vlog da Marina

Anúncios
AS SETE VIRTUDES DO LÍDER AMOROSO

O Líder Comunicativo.

“Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos se não tiver o amor, sou como o bronze que soa, ou como o címbalo que retine.”

A primeira virtude fundamental de um líder é a capacidade de se comunicar. Não basta fazer barulho como um sino. É preciso aprender o jeito certo de ouvir e de falar…

O PRINCÍPIO DA MEDIOCRIDADE E DA SABEDORIA

O líder arrogante imagina que sabe tudo sobre o seu produto e sobre o seu negócio. Está sempre disposto a dar uma resposta. Tem muitas dificuldades para fazer perguntas. Monopoliza o tempo das reuniões com intermináveis discursos. Seu orgulho é o princípio de sua mediocridade, pois quem pensa que tudo sabe não tem espaço para aprender e fica escravo de sua própria ignorância.

O líder nato (ou amoroso) é humilde. Está disposto a aprender sempre mais. Tem o hábito de fazer muitas perguntas, mesmo aos que sabem menos do que ele. Quem ama ouve respostas, aprende lições, pergunta o porquê (e não apenas impõe). Sua humildade é o principio da sua sabedoria, pois quem sabe que não sabe abre espaço na mente para aprender sempre mais.

O líder comunicativo precisa voltar a ser criança se quiser aprender os mais diversos tipos de linguagens, inclusive idiomas. Precisa voltar a aprender a perguntar e não apenas falar e impor.

Só aprendemos se ouvimos e falamos. Nossas escolas nos “adultecem” demais. Somos obrigados a ficar calados diante de alguém que pensa que sabe tudo e acaba nos contaminando com suas lições. Por sorte esquecemos boa parte do que aprendemos. Seria insuportável viver com tantos teoremas e regras de gramática. Quase não aprendemos das coisas mais importantes da vida, como é o caso da comunicação.

No princípio da boa comunicação há sempre uma ótima pergunta. Quem souber fazê-la abrirá caminho para o próprio sucesso. O filósofo grego Sócrates já andava peripateticamente ao redor da praça com seus alunos fazendo perguntas, de modo que o conhecimento nascia no diálogo.

Após ouvir, o líder comunicativo passa tudo pelo crivo de uma série de filtros, para que não fique disperso em meio a um tiroteio de sugestões desordenadas. Ele aproveita o que é possível e muitas coisas simplesmente vão para a lixeira.

O líder comunicativo, em muitas situações, ouve até o que as pessoas não dizem. É intuitivo. Muitas vezes, a mensagem mais importante é a que está sepultada no silêncio. Muitas pessoas tem dificuldade de expressar suas necessidades. Quando um líder exercita essa “empatia” e sabe ler o coração do outro, ganhou um liderado fiel.

No processo do diálogo interferem alguns elementos secundários, mas muito importantes: o olhar, o tom de voz, a atenção. Uma técnica infalível é repetir com suas palavras a resposta do outro.

A boa comunicação tem outro elemento fundamental: o humor.
Quem sorri quando fala multiplica por 10 a capacidade de atingir o interlocutor. Não se trata de fazer piada, ou utilizar a técnica da ironia ou cinismo. Estas, ao contrário, são barreiras que se tornam verdadeiros obstáculos para a comunicação.

Não basta comunicar do jeito certo. É necessário ter conteúdo.
No fim do processo o que ficará mesmo é a mensagem.
Se o produto não for bom de nada valerá o belo embrulho.

Fonte: Alguns conceitos extraídos do livro “As sete virtudes do líder amoroso“.

AS SETE VIRTUDES DO LÍDER AMOROSO

As sete virtudes do líder amoroso.

As7virtudesEssência da Liderança: verdadeiro líder é aquele que tem autoridade e não simplesmente aquele que tem o poder.

O próprio mestre revelou seu segredo quando ensinou a seus seguidores que “aquele que quiser ser líder deve ser o servo de todos”.

A liderança é construída em uma dimensão humana profunda: a atitude! O verdadeiro líder é reconhecido até pelo tom da voz. A raiz desta atitude fundamental é o que poderíamos chamar de amor, ou seja, a disposição de doar-se, de dar a vida pelo grupo.

Na introdução do livro as sete virtudes do líder amoroso temos duas advertências sobre o amor.

Amor não é apenas sentimento nem se resume em práticas de caridade.

Amar é muito mais que gostar. Alguém já disse que o amor é querer o bem para o outro; paixão é querer o outro para o seu próprio bem.

O amor, portanto, tem algo de racional. É preciso amar com a mente e com o coração.

Liderança amorosa é muito mais que liderança sentimental. O que seria então? É uma atitude radical, ou seja, de raiz. Dela nasce uma árvore com diversos ramos. Cada um deles é uma das sete virtudes que acreditamos compor a estrutura do líder amoroso. As sete virtudes que Paulo de Tarso, de um modo genial, ocultou em seu “Hino ao Amor” e que serão discutidas nesse livro.

O líder amoroso tem três habilidades fundamentais: Visão, Coesão e Ação.

O líder é aquele que viu a meta antes dos outros, inspira confiança e coesão ao grupo e garante a operacionalidade.

O bom líder partilha suas habilidades de modo a gerar uma “liderança em cadeia”. Saber delegar. Não retêm suas descobertas como se isso colocasse em risco seu cargo.

Algumas pessoas imaginam que os grandes líderes e vencedores já nascem prontos. Existem talentos naturais que não podem ser desprezados, porém, neste livro, falando das virtudes que compõem o potencial de vitória de um líder amoroso, todos podemos nos tornar um, se estivermos dispostos a conquistar os sete hábitos salutares.

O hábito virtuoso é praticado naturalmente. É um patrimônio humano do líder amoroso.

Mais informações em breve! 😉

Até mais.

Fonte: Alguns conceitos extraídos do livro “As sete virtudes do líder amoroso“.

LIDERANÇA

Liderança nas Empresas.

Atual situação da liderança nas empresas por Paulo Campos (Consultor e Professor).

Qual é a maior dificuldade dos líderes?

Percebo que está em dar e receber feedback. Os líderes não têm a prática e a coragem de receber críticas de suas ações.

Eles precisam fazer isso com mais frequência, sair da zona de conforto e buscar as avaliações dos colegas de trabalho.

Qual é a principal preocupação das empresas quanto à liderança?

A formação de sucessores. Ainda há a tradição do líder heroico, que delega pouco e afasta talentos, porque tem medo de ser ameaçado. Isso cria um grande problema de falta de formação de sucessores.

Como fazer isso com eficiência?

A melhor forma é trocar experiências sobre liderança. Os subordinados querem ouvir as histórias de vida do chefe, seus desafios, conquistas e derrotas.

Como ele deve passar conhecimento?

O principal ponto é saber como o outro gostaria de aprender. E, para isso, o melhor caminho é saber ouvir a equipe.

O que é preciso para um profissional se sentir realizado?

Eu diria que interesse e habilidade. É necessário equilibrar o que você gosta de fazer com o que você faz bem. Se esses dois pontos forem bem trabalhados, um profissional consegue crescer e ter sucesso.

Fonte: Revista você s/a de Setembro 2010.

GERAÇÃO Y

Geração Y

Eles já foram acusados de tudo: distraídos, superficiais e até egoístas. Mas se preocupam com o ambiente, têm fortes valores morais e estão prontos para mudar o mundo.

Esta geração desenvolveu-se numa época de grandes avanços tecnológicos e prosperidade econômica. Estes cresceram vivendo em ação, estimulados por atividades, fazendo tarefas múltiplas. Acostumados a conseguirem o que querem, não se sujeitam às tarefas subalternas de início de carreira e lutam por salários ambiciosos desde cedo.

Todos nós temos um pouco dessa geração Y, porém os jovens a aderem com muito mais fervor.  Queremos que as coisas aconteçam rápido, queremos resultados, queremos feedback, queremos ganhar dinheiro, queremos reconhecimento, entre inumeras outras coisas.

Algo bastante comum que venho observando e que faz parte realmente do pessoal mais jovem é a “rebeldia” no trabalho, por incrivel que pareça.

Se eles pularem de um emprego pro outro até conseguirem o que querem, baterem a porta quando não são reconhecidos, enfrentar pessoas, sendo colegas de trabalho ou mesmo os chefes apenas para dar sua opinião, não é de se assustar pois essas atitudes já estão se tornando comum. Mas não quer dizer que são pessoas revoltadas e sim que estão buscando o seu melhor.

São inteiramente ligados a comunicação, seja pelo celular, internet ou qualquer outra ferramenta que venha a surgir.

A auto-realização fala alto para essas pessoas, querem tudo e tudo ao mesmo tempo, fazem de tudo e tudo ao mesmo tempo. Conseguem falar ao telefone, no msn, twitter e ainda acenar para a pessoa que esta passando e é claro “tudo ao mesmo tempo”.

São bem informados, questionadores, são ansiosos e desafiam lideranças.

Com sede de subir na carreira hoje 18% dos jovens já ocupam cargo de gestão. Apreciam o diálogo aberto, escolhem trabalhar nas empresas que estão de acordo com seus valores pessoais.

A  Geração Y  têm uma necessidade muito grande de receber feedback por parte da empresa. E não é a cada seis meses, mas sim a cada mês. Pois esse feedback recente acalma a ansiedade que mora nessas pessoas, pois precisam saber como estão indo e são movidos a elogios.

Respostas como “porque não e porque sim” não funcionam pra eles, querem explicações claras, precisam encontrar sentido nas coisas que estão fazendo e não apenas fazer porque o mandaram. Os gestores têm que oferecer sentido ou acabam perdendo o funcionário ou até ficam com ele, mas o estraga, ele perde a motivação.

São totalmente responsáveis, tanto no trabalho como no pessoal, se preocupam em entregar aquele projeto que ficou de fazer e se preocupam com a namorada que esta em casa doente, e ele vai dar um jeito de resolver as duas coisas. São pessoas alegres, então não se espante se a empresa estiver passando por maus momentos e ele continuar sereno, mas não quer dizer que não esteja preocupado.

Essas pessoas adoram participar de projetos e de estar envolvidos nos assuntos da empresa, terão mais motivação se esses projetos tiverem começo, meio e fim e resultados palpáveis.

Pra eles o salário é para pagar contas, gostam mesmo é de bonificações para que possam gastar com outras coisas fora de seu orçamento.

Não costumam respeitar muito as normas, principalmente normas que são burras e não geram resultado nenhum, querem mesmo é ter liberdade pra fazer as coisas acontecerem. Subordina-se a vínculos e não a cargos, são ótimos profissionais, respeitam a empresa e gostam de ser respeitados.

Vocês devem estar pensando, porque devo ter um desses na minha empresa?

Porque você não tem saída, eles estão por todo lado, e são eles que irão cuidar da sua empresa, do seu país lá na frente. E são pessoas que aprendem e exercem as funções com facilidade e alta performance.

A geração Y está aí e basta você (gestor, líder, empreendedor) que nasceu antes dos anos 80 saber lidar com ela e se beneficiar.

Fonte: Livro – Geração Y: o nascimento de uma nova versão de líderes do autor Sidnei Oliveira.